Noticias | 31 Oct, 2022

10 anos da Lista Verde: um caminho para uma conservação efetiva

Este ano, a Lista Verde de Áreas Protegidas e Conservadas da UICN comemora 10 anos desde sua criação. É importante reconhecer o caminho percorrido e as contribuições para a região, pioneira no sucesso deste Padrão que, hoje, é referência para a gestão eficaz das áreas protegidas no mundo inteiro.

content hero image
Photo: © FG Trade

 

O que é a Lista Verde e por que precisamos dela?

A resposta é simples: nosso futuro depende da natureza e, de nós, dependem os esforços que fazemos para cuidá-la e protegê-la. Em terra e nos mares, os impactos do crescimento populacional, da industrialização e dos modelos de produção e consumo estão levando nosso planeta ao limite. Estamos ameaçando nossa própria existência através de uma perda acelerada de ecossistemas, espécies selvagens e recursos genéticos. Estamos degradando os ecossistemas terrestres e marinhos além de sua resiliência, e estamos apenas começando a ver os impactos reais da crise climática.

É por isso que a Lista Verde da UICN é uma importante ferramenta de conservação para combater esse problema. O Padrão Lista Verde quer alcançar a conservação bem-sucedida de espaços dedicados à preservação da biodiversidade, bem como objetivos sociais, econômicos e culturais e busca ser sinônimo de sucesso em áreas protegidas. Os resultados positivos se dão por meio do cumprimento de uma série de critérios sólidos aplicados em nível global, incluindo aqueles relacionados à governança, desenho, planejamento e gestão exemplar destes espaços.

O Padrão foi elaborado para ser aplicado em qualquer Área Protegida e Conservada, estadual, municipal, distrital, território indígena etc. Ao se comprometer com o Padrão, os gestores das áreas protegidas podem medir, melhorar e manter seu desempenho por meio de critérios consistentes que são avaliados globalmente.

A Lista Verde é um sistema de certificação que se baseia em diferentes pilares, como governança equitativa e gestão eficaz, mas o foco real está nos resultados de conservação e na contribuição para os desafios globais.

Thierry Lefebvre, Líder do Programa Global da Lista Verde da UICN

Por meio desse processo, promove-se a troca de saberes, ferramentas e práticas relacionadas à gestão de espaços conservados, com o objetivo de melhorar a eficácia na gestão e governança. Consequentemente, o caminho para alcançar a Lista Verde de Áreas Protegidas redefine a conservação dessas áreas conservadas dentro dos desafios do século XXI.

No gráfico a seguir você pode ver a história do processo com mais detalhes:

https://digital.iucn.org/es/regiones/america-del-sur/lista-verde/

 

O caminho da Lista Verde nestes 10 anos

Desde a década de 1960, a UICN tem buscado formas de analisar as áreas protegidas e sua contribuição para a conservação dos ecossistemas. Houve algumas tentativas importantes como a Lista de Parques Nacionais e reservas equivalentes em 1959, que mais tarde deu origem ao Planeta Protegido ou à Lista do Patrimônio Mundial em Perigo em 1972.

Na década de 1980, com Peter Scott, nasceu o primeiro conceito de Lista Verde, mas só em 2003, no Congresso Mundial de Parques, surgiu a primeira questão de porque a UICN não tinha uma Lista Verde. A questão motivou uma série de reuniões da Comissão de Áreas Protegidas da UICN para analisar propostas e, em 2009, um primeiro estudo é implementado na Colômbia e em outros países que realizaram uma fase piloto da Lista Verde, dando origem aos seus fundamentos.

Finalmente, em 2012, o Congresso Mundial de Conservação em Jeju, Coréia, foi um marco importante no nascimento do que hoje conhecemos como Lista Verde da UICN. Pela resolução 041, os Membros da União decidiram desenvolver critérios e objetivos para a criação de uma Lista Verde de espécies, ecossistemas e áreas protegidas.

Dois anos depois, 23 localidades se inscreveram na Lista Verde da UICN e o Parque Nacional Arakwal, na Austrália, tornou-se a primeira área certificada com base nos princípios do Padrão.

As conquistas globais da Lista Verde da UICN, em apenas 10 anos de sua criação, são realmente importantes:

  • 61 sítios Lista Verde
  • 600 sítios comprometidos
  • 60 países
  • +30 Grupo de Especialistas em Avaliação da Lista Verde (EAGL por sus siglas en inglés) funcionando
  • +300 especialistas envolvidos
  • 100 parceiros de implementação

 

A Lista Verde na América do Sul

Atualmente, seis países da América do Sul estão comprometidos com a Lista Verde da UICN: Colômbia, Chile, Equador, Bolívia, Brasil e Peru, com mais de 20 áreas candidatas e quatro áreas certificadas (saiba quais neste link)

O ano de 2022 foi fundamental para o Biomas, pois foi estabelecida uma rede regional de intercâmbio de conhecimento da Lista Verde. No entanto, os reconhecimentos concedidos em cada país permitem-nos visualizar estes avanços com maior detalhe. Por exemplo:

A Bolívia, em setembro deste ano, institucionalizou o uso das ferramentas e metodologias da Lista Verde por meio da Resolução Administrativa 085/2022, que estabelece o Padrão como instrumento de planejamento e monitoramento da efetividade da gestão nas áreas protegidas nacionais do Estado Plurinacional da Bolívia.  Leia a nota aquí

A Colômbia, por sua vez, sempre esteve na vanguarda na implementação do Padrão, com duas áreas certificadas e três áreas em processo de postulação, que definiram as bases para a implementação do Padrão em outras formas de conservação, como os sítios Ramsar. O país entra agora numa nova fase da Lista Verde, testando a ferramenta Gap Analysis and Assessment. O exercício será compartilhado a nível regional.

O Equador, com o enorme desafio de candidatar oito áreas amazônicas, avançou proativamente, gerando resultados importantes que se traduzem em melhorias significativas na região, como por exemplo, a implementação de mecanismos de gestão do conhecimento e modelos de governança.

“Estar na Lista Verde da UICN é como estar nas grandes ligas”

 Marco Arenas, SERNANP – Peru

O Peru, com duas áreas certificadas e cinco em processo de candidatura, desenvolveu importantes reflexões sobre os mecanismos de implementação que retroalimentam o processo global da Lista Verde. Devido ao seu compromisso e perseverança, espera-se que ainda este ano, apresentem as novas áreas protegidas certificadas na Conferência de Biodiversidade da ONU (COP 15) em Montreal, Canadá.

O Brasil, com mais de 15 unidades de conservação interessadas em aderir ao Padrão Lista Verde, iniciou um programa de treinamento e capacitação para orientar metodologicamente essas áreas.

O Chile tem sido um exemplo de ação e articulação de diversos atores, o que permitiu avançar no Padrão de forma proativa e em tempo recorde. Com duas áreas patagônicas candidatas, chegaram a reflexões fundamentais para retroalimentar seu modelo de governança e o sistema de monitoramento de espécies. Você pode ver sua história completa aqui: https://youtu.be/IULWSbHP3cQ

No diagrama a seguir apresentamos os marcos mais relevantes da Lista Verde na região:

Imagen que contiene Diagrama

Descripción generada automáticamente

 

Qual é o futuro da Lista Verde da UICN?

Nesta nova etapa da Lista Verde, o foco principal são as redes de países e sites para desenvolver o Padrão em larga escala. Além disso, procura trabalhar em consonância com o Objetivo 30x30 para medir e apoiar a sua implementação, com vistas a qualidade e equidade da gestão das áreas. Esses objetivos estão diretamente ligados à visão global que a UICN estabeleceu com a Lista Verde para 2030, juntamente com a Fundação Gordon e Betty Moore, que consiste em garantir que 10% das áreas protegidas e conservadas do mundo (de superfície) sejam comprometidas ao Padrão, incluindo Sítios do Patrimônio Mundial Natural.

 

Quer saber mais sobre a Lista Verde e suas experiências?

Visite a plataforma Panorama Solutions, um espaço público global que documenta e promove exemplos de soluções inspiradoras e replicáveis ​​em questões de conservação e desenvolvimento, permitindo a aprendizagem e a inspiração intersetorial.

Você também pode ouvir nossa participação na Comemoração do Dia das Áreas Protegidas e Conservadas, onde falamos sobre esse importante marco dos 10 anos da Lista Verde no link a seguir: https://www.youtube.com/watch?v=uetxcOFd_2Y

 

 

Mais informações entrando em contato com Zornitza Aguilar, Coordenadora Regional de Áreas Protegidas e Conservadas, UICN – SUR: zornitza.aguilar@iucn.org ou María Fernanda Burneo, Coordenadora de Comunicações do projeto, maria.burneo@iucn.org